quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

Lançamento do Livro "No Tempo Suspensa" > 20 Dezembro > 18h30


No Tempo Suspensa

Marta rememora o episódio de abuso sexual de que foi vítima em  criança e relembra o país  em que esse abuso ocorreu, a sua relação com os pais, os irmãos  , as amigas , assim como    a sua vida amorosa   ,    procurando perceber até que ponto  essas relações foram  afectadas e induzidas por esse abuso, interrogando-se continuamente sobre as sequelas que essa experiência  deixou em si, e como pode ter contribuído  para a sua incapacidade de se relacionar com os outros e de com eles entrar em contacto  ( num plano de igualdade  , e  em que a intimidade naturalmente aconteça.)


Sobre a Autora: Rosa Abelaira nasceu em Coimbra em 1949.
É psicóloga. Como escritora já publicou:
“À hora da sesta” em 1980, na Editora Regra do Jogo
Sob o pseudónimo de Rita Cerdeiros publicou:
“ As Hortênsias brancas e as bicicletas” em 1996, na editora Fenda
E “ Maria Callas , de Lúcia a Violeta” em 1997, na Editora Pergaminho)
Retomando o nome de Rosa Abelaira , em 2014 publicou em França nas Éditions Baudelaire, “Au Temps Suspendue ou L’Abus et l’Intimité”, versão francesa deste romance agora publicado na sua versão original pela Chiado Editora.


Oficina Papel Tesouro > 8 Janeiro > 11h-13h

8 Janeiro > Oficina Papel Tesouro

O papel dos livros conta-nos histórias mas tem, ele próprio, a sua.
Nesta oficina vamos descobrir como o papel foi uma extraordinária invenção e como podemos produzir tal tesouro.

----

Oficinas para crianças dos 6 aos 12 anos
Das 11h às 13h
2º domingo de cada mês
6€ por participante

Oficinas:
8 Janeiro > Papel Tesouro
12 Fevereiro > História fora da Página
12 Março > Monstrengos Pop-Up
9 Abril > Livro Mecanismo
14 Maio > Vida-Folha-Folha-Vida
11 Junho > Livro Desalinhado

Programa detalhado em Facebook: andaimecooperativacultural

Inscrições para o e-mail: andaimecooperativacultural@gmail.com | Telefone 934490950

Oficinas Artísticas para Crianças > Janeiro a Junho > 11h-13h

SER LIVRO
Oficina de criação de Livros Artísticos
Um projeto da ANDAIME – COOPERATIVA CULTURAL

Oficinas para crianças dos 6 aos 12 anos
Das 11h às 13h
2º domingo de cada mês
6€ por participante

Oficinas:
8 Janeiro > Papel Tesouro
12 Fevereiro > História fora da Página
12 Março > Monstrengos Pop-Up
9 Abril > Livro Mecanismo
14 Maio > Vida-Folha-Folha-Vida
11 Junho > Livro Desalinhado


Os livros são objetos mágicos. São portas para novos mundos, outros seres, tempos, histórias, novos saberes. São viagens de ida e volta, ou não, pois um verdadeiro “livrista” salta aventureiramente de um livro para outro, sem destino à vista. Os livros transportam-nos pelo mundo fora, pois a imaginação não tem limites, mas também por dentro de nós, pelos carreiros estreitos da memória ou por jardins de sonhos e projetos futuros. Nesta oficina vamos contar, desenhar e escrever histórias nossas, reais ou inventadas, e construir um objeto-livro com a forma que cada um quiser dar. Um Ser Livro é livre, único e irrepetível, como cada um de NÓS.

SER LIVRO é um projeto de educação artística a desenvolver em bibliotecas, livrarias e outras instituições culturais interessadas. Visa promover a criação artística plástica e literária e fomentar o gosto pela leitura e pelo manuseamento de livros.
Estrutura-se em quatro grandes áreas de exploração que poderão ser adaptadas ao contexto, conteúdos ou temáticas que o espaço pretende promover, por exemplo, trabalhar uma ou várias obras de um autor, um tema específico ou um dia comemorativo.

Propõem-se as seguintes áreas de exploração:
1. Desenvolvimento de atividades de leitura e de escrita criativa;
2. Criação e exploração artística de papel artesanal;
3. Ilustração através de diversos materiais e técnicas gráficas/plásticas e de impressão artesanal;
4. Planificação e construção do “Objeto – Livro” recorrendo a formatos já existentes (de encadernação tradicional, livro instantâneo, pop-up, em harmónio, rolo, etc) e outros criados pelos participantes;

Estas áreas podem ser desenvolvidas individualmente como sessões independentes, condensadas e articuladas num curso intensivo de uma semana ou ao longo do ano letivo. Ser Livro pode ter um formato de curta duração (uma manhã ou uma tarde), média (uma semana) ou longa (durante um ano letivo completo).

Público-Alvo: Todas as pessoas com mais de 6 anos, mesmo as que não gostam de Ler.

Objetivos:
● Promover a criação plástica e literária
● Fomentar o gosto pela leitura e pela escrita
● Estimular o prazer de manusear livros
● Dar a conhecer autores, livros e histórias
● Experimentar várias disciplinas artísticas, técnicas e materiais de expressão plástica
● Contribuir para o desenvolvimento da criatividade, da curiosidade e da vontade de descoberta
● Desenvolver capacidades expressivas e comunicativas
● Promover atitudes positivas consigo próprio, com os outros e com o meio

O que é a ANDAIME? Andaime é uma cooperativa cultural que atua em três áreas: Arte, Ambiente e Educação. Visa produzir, promover, investigar e divulgar atividades de cariz artístico, educativo e ambiental, em múltiplos contextos, tipos de público e realidades socioeconómicas. É formada por uma equipa de artistas plásticas com experiência na área da educação artística e ambiental em escolas, serviços educativos de museus, centros e galerias de arte e em bairros sociais.

Orientadoras da ANDAIME:
Alice Neiva
Ana Teresa Magalhães
Catarina Sá
Sílvia Moreira

Contactos:
Programa detalhado em Facebook: andaimecooperativacultural
Inscrições para o e-mail: andaimecooperativacultural@gmail.com | Telefone 934490950

Apresentação do Livro "Bonecos & Reverências" > 27 Dezembro > 18h30


Quarteto Al JAZZ'ERA > 14 , 21 e 28 Dezembro > 22h00


sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

Seminário Banda Desenhada e Pensamento Político > 2ª sessão: Cibernética e Transhumanismo > 10 DEZ > 18h00


Lançamento do livro “Sopa, Sim!” > Maria Inês Antunes > 7 DEZ > 21H30


É Londres, bebé > Aventuras e desventuras de uma artista emigrante > 22 Dezembro / 6 Janeiro > 21h30


É Londres, bebé > Aventuras e desventuras de uma artista emigrante


Texto: Joana Pereira

Encenação: Ju Sofia Prata

Interpretação: Ju Sofia Prata

Cartaz: Miguel Godinho

Dias 22 de Dezembro e 6 de Janeiro 21h30

Entrada Livre


Sinopse:

Grande parte das pessoas pensa que no estrangeiro se está melhor que em Portugal. Mas será mesmo? O meu nome é Ju, aspirante a encenadora, actualmente a viver em Londres, depois de abandonar subitamente a minha vida e recomeçar do zero. Não está fácil, e são mais que muitas as aventuras e diferenças culturais que tenho enfrentado, eu e os meus amigos portugueses também a viver por cá.
Uma peça cómica, que desmistifica Londres e prova que é impossível emigrar e não sentir constantes saudades de Portugal.
(Baseado em factos e testemunhos reais)

quinta-feira, 17 de novembro de 2016

Apresentação do livro "Os Básicos da Cozinha Vegana" > 24 NOV > 19H


Comer é algo de natural e simples, não precisamos de contar calorias nem de calcular DDR’s antes de cada prato: não é matemática, é um prazer! A comida saudável é aquela que nos faz sentir bem mas também que sabe muito bem. Numa altura em que a comida deixou de ser comida e transformou-se em mononutrientes (a laranja para a vitamina C, a linhaça para o ómega 3, etc.), este livro pretende voltar aos básicos, de pés na terra, e partilhar esta forma de comer — e de viver também — que é mais consciente, mas nem por isso complicada ou sensaborona. Os Básicos da Cozinha Vegana é um livro que pretende ser uma base na cozinha, daqueles que nos fazem voltar sempre. E cada receita, por ser tão apelativa pela sua simplicidade, tem a capacidade de se tornar única com cada mão que a faz e lhe acrescenta o seu cariz pessoal. São os básicos de uma cozinha que faz pessoas saudáveis e, por isso, felizes.

Projeto Novarina em Lisboa > Conversa sobre Valère Novarina > 2 DEZ > 16H00


Pintor, poeta, dramaturgo, Valère Novarina é um artista que transita pela fronteira que separa os diversos gêneros artísticos. Paralelamente à criação de seus textos, ele trabalhou com grafismos e com pintura, primeiro desenhando personagens, depois, pintando cenários até começar, a partir de 1986, a encenar alguns de seus livros.

Como parte do Projeto Novarina em Lisboa, vamos promover um encontro com alguns artistas que trabalharam com a obra do autor francês. Além da conversa, apresentaremos um vídeo criado a partir do conto A língua desconhecida e a leitura dos textos Carta aos atores e Diante da palavra, de Nova-
rina, pelas atrizes Laura Morais da Silva e Mariana Gomes.

Este evento se insere no projeto de pesquisa e montagem da peça Vocês que habitam o tempo, encenação do carioca Antonio Guedes que estreará em março no Teatro da Politécnica.

Recital de Piano comentado > Sofia Sarmento > 15 JAN > 16H




Sofia Sarmento (Braga, 1988) é pianista e professora de piano. Em 2014 ganhou o 1º Prémio no Concurso Peter Donohoe, em Birmingham – Inglaterra. A sua atividade performativa compreende concertos a solo, participações em projetos colaborativos, bem como o piano de acompanhamento. Em 2015 concluiu estudos de pós-graduação em Inglaterra, com os Professores Margaret Fingerhut e Julian Jacobson. Realizou o Postgraduate Artist Diploma no Trinity Laban Conservatoire of Music and Dance – Londres, e frequentou o programa Postgraduate Advanced Diploma no Conservatório de Birmingham. Como pianista e performer, Sofia integrou projetos que associam a música com várias diferentes artes, da dança ao teatro e cinema. Sofia especializou-se em música contemporânea tendo gravado em direto para a BBC Radio 3 num pré-concerto dos BBC Proms sobre a música de Michael Finnissy, em Londres. Participou também nos festivais Frontiers e Harrison Birtwistle Festival, e estreou obras de compositores oriundos de Inglaterra, Espanha, Polónia e Portugal

quarta-feira, 9 de novembro de 2016

Apresentação do Livro "Políticas, Políticos, Política, Políticos - 1965/2015 > Fernando dos Santos Neves > 23 Novembro > 18h30


POLÍTICAS, POLÍTICOS, POLÍTICA, POLÍTICO

“O presente livro não deverá considerar-se uma nova edição, embora muito revista e aumentada, do livro publicado em 2013 na ÂNCORA EDITORA com o título universalmente parabenizado (utilizando um “lusofonês” brasileirismo) de: A POLÍTICA NÃO É TUDO, MAS TUDO É POLÍTICO! Estudos e ensaios 1965-2012.
Além do mais, designadamente dos “TRÊS POSFÁCIOS ESPECIAIS” DE HOMENAGEM A MÁRIO SOARES, A ANTÓNIO DE ALMEIDA SANTOS E A MARIA BARROSO, permitir-me-ia chamar a atenção para as DUAS “EPÍGRAFES”, RESPETIVAMENTE SOBRE O “25 DE ABRIL DE 1974” E O “10 DE NOVEMBRO DE 2015”, datas e acontecimentos estes que, sem nenhuma fingida modéstia, re-permitiram e re-permitirão a Portugal, adaptando os versos de Camões, “dar Novos Mundos ao Mundo” (a começar pela atual “austera, apagada e vil tristeza” da «União Europeia›› e a não menos “austera, apagada e vil tristeza” da «CPLP»...) das “Políticas”, dos “Políticos”, da “Política” e do “Político” do universo luso, lusófono, europeu e global. Que satisfação maior poderia sentir o criador da 1ª Licenciatura Portuguesa de Ciência Politica e autor do presente livro?”

Fernando dos Santos Neves

terça-feira, 8 de novembro de 2016

Workshops de Fotografia > Luz a Fotografar Devagar > Fevereiro e Março


LUZ A  FOTOGRAFAR DEVAGAR

Vivemos num mundo "colonizado" por imagens.Mas será que todos sabemos o que é uma imagem? Como se forma? O que representa?

Neste conjunto de atividades produzidas em parceria com a Livraria "Ler Devagar", propomo-nos orientar os interessados numa viagem ao interior das imagens fotográficas. E à sua poesia.



Atividades em parceria Walking Camera Project

segunda-feira, 7 de novembro de 2016

Lançamento do Livro " Unidos na separação" > José Carlos Henriques > 17 Novembro > 18h30


O progenitor sentado no canapé da sala chamou a si o filho, Fharal de dez anos, abraçou-o com muita força de profundo consternar, disse-lhe prontamente de voz meiga e suave: amor, quero dizer-te uma coisa: a nossa mãe morreu…
Fharal sabia que depois do óbito, deixava de poder agarrar-se à mãe como se fosse uma árvore centenária, há muito tempo enraizada na vida do filho, podendo sempre que queria apertá-la dando-lhe a segurança transcendental que necessitava. 


Sobre o Autor:
O autor é advogado, professor universitário de direito e gestão, director de Licenciatura em Gestão Autárquica e Mestrado em G.R.H. (2000-2011), foi empresário e gestor em várias empresas, iniciou a sua actividade profissional numa instituição bancária nos anos 80.
Licenciado em Direito (F.D.U.L.)Mestre em Sistemas Sócio - Organizacionais (I.S.E.G.-U.T.L.)  e Doutor em Ciência Política (bolseiro F.C.T.).


quarta-feira, 26 de outubro de 2016

> Ciclo de Leituras encenadas > Da Voz Humana > 28 NOV > 22H00


Exposição de Fotografia > Nuvens num Instante > 3 a 16 NOV


Exposição "3/4 de Polegada" > Carlos Ribeiro > 2 a 20 de Novembro


Uma intrincada e complexa rede de distribuição de água, como um sistema circulatório que alimenta um organismo, bate a cidade, ramificando-se por ruas e edifícios, formando um gigantesco sistema de tubos, que percorrem o espaço, “alimentando” o colossal organismo que é a urbe.
Imaginemos então, por um instante que, por poderes extraordinários, concedidos por Éolo, senhor dos ventos, pulverizávamos com um sopro ciclónico o betão expondo a colossal estrutura de tubos, e cimento remanescente. Dissipado o pó, ergue-se perante nós uma nova e surrealista paisagem de tubos que se entrecruzam num afã circulatório para fazer chegar ao destino final o líquido vital. Curiosos, aproximamo-nos e somos levados a olhar os detalhes. Registamos, involuntariamente, algumas destas imagens que como painéis se organizam na nossa memória.

Cada painel de “3/4 de polegada” é uma secção deste emaranhado universo de canos que se cruzam e entrecruzam, “deslocando-se” em todas as direções como autoestradas intermináveis. É um grande plano, um detalhe que procuro capturar, como que usando uma câmara, narrando num frame, um pequeno pedaço da história que os ligou a uma casa, uma família, uma pessoa. Cada painel é o simulacro de registo etnográfico, que os tubos anónimos que o integram (painel) realmente possuem, onde vidas se cumpriram num quotidiano banal, ou, talvez, extraordinário. É um registo imaginário, um conto, uma peça de ficção que desvela o real imaginado.

Carlos Ribeiro 2016