sábado, 17 de julho de 2010

A LER DEVAGAR sugere...


Renascer. Diários e Apontamentos 1947-1963, Susan Sontag, trad. Nuno Guerreiro Josué, Ed. Quetzal - 18,13€

«As ideias perturbam o equilíbrio da vida.», p. 17

(...)

«Allen Ginsberg - Hotel na rue Git-le-Coeur - namorado, Peter [Orlovsky] com cabelo comprido + cara bicuda.

H. Fina flor da boémia americana. Nova Iorque. Família com apartamento entre as avenidas 70 e 80. Pai homem de negócios da classe média (sem colarinho branco). Tias comunistas. Criada negra. Escola secundária Nova Iorque, NYU, faculdade experimental pretensamente artística, São Francisco (onde ela e a Susan Sontag se encontraram pela primeira vez), apartamento em Greenwich Village. Experiências sexuais precoces incluindo negros. Homossexualidade. Escreve contos. Promiscuidade bissexual. Paris. Vive com um pintor. Pai muda-se para Miami. Viagens de volta à América. Emprego nocturno ao estilo do expatriados. A escrita desvanece-se.», p. 190

sexta-feira, 16 de julho de 2010

A LER DEVAGAR sugere...


O Fim dos Livros, Octave Uzane, trad. Jacinta Gomes, Ed. Palimpsesto - 8.85€

«Baseio-me na constantação inegável de que o homem ocioso rejeita cada vez mais a fadiga e procura avidamente aquilo a que ele chama o conforto, isto é, todas as ocasiões de poupar tanto quanto possível o dispêndio e o funcionamente dos seus orgãos. Não deixarão de concordar comigo que a leitura, tal como a praticamos hoje, provoca rapidamente uma grande lassitude, pois não só exige do nosso cérebro uma atenção constante que consome uma grande parte dos nossos fosfatos cerebrais, como também obriga o nosso corpo a diversas atitudes cansativas. Força-nos, se estivermos a ler um dos vossos grandes jornais no formato do Times, a exibir uma certa habilidade na arte de virar e dobrar as folhas; fatiga os nossos músculos tensores, se as mantivermos completamente abertas; enfim, se é ao livro que nos referimos, a necessidade de cortar as folhas, de as correr à vez uma depois da outra, produz por miúdas fricções sucessivas, um enervamento muito perturbador a longo prazo.», pp. 34-35

(...)

«Creio, portanto, no sucesso de tudo aquilo que lisonjeie e alimente a preguiça e o egoísmo do homem; o elevador pôs fim às escadas dentro de casa; o fonógrafo destruirá provavelmente a tipografia. Os nossos olhos são feitos para ver e reflectir as belezas da natureza e não para serem usados na leitura de textos; há demasido tempo que deles abusamos, e não é preciso ser um douto oftalmologista para conhecer a série de doenças que afligem a nossa visão e nos obrigam a servirmo-nos dos artifícios da ciência óptica.», p. 36-37

sexta-feira, 2 de julho de 2010

TOP 5 - Mês de Junho

LITERATURA

. Depois de morrer aconteceram-me muitas coisas, Ricardo Adolfo (Alfaguara)
. Máquina de fazer espanhóis, Valter Hugo Mãe (Alfaguara)
. Alexandre O'Neill dito por Sinde Filipe (Dinalivro)
. Mizé - antes galdéria do que normal e remediada, Ricardo Adolfo (Afaguara)
. Livros e Cigarros, George Orwell (Antígona)

LITERATURA INFANTIL

. Animalário Universal do Professor Revillod (Orfeu Mini)
. Eu Espero, Davide Cali & Serge Bloch (Bruaá)
. Coração e a Garrafa, Oliver Jeffers (Orfeu Negro)
. Não é uma caixa!, Antoinette Portis (Presença)

NÃO-FICÇÃO

. Homicídio Conjugal em Portugal, Elza Pais (INCM)
. Alimentos e Mitos que nos engordam, Isabel do Carmo (Livros d'Hoje)
. Portugal Povo de Suicidas, Miguel Unamuno (Abismo)
. Inteligência Emocional, Daniel Goleman (Temas & Debates)
. 2780 Taberna - Cozinha Experimental (Bertrand)