terça-feira, 23 de novembro de 2010

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

ao princípio era eu (23 de Novembro - 18.30)

ao princpio era eu

LIVRO | A sua genialidade, simpatia e irreverência, indissociável da bengala e do cabelo em desalinho, fazem de António Victorino d’ Almeida uma das figuras mais queridas do panorama artístico nacional. Pianista, compositor, maestro, escritor, realizador de cinema e de televisão, encenador, comunicador nato. Quem é, afinal, o homem por detrás de tantas criações?

Referência incontornável na vida cultural portuguesa, António Victorino d’ Almeida é conhecido sobretudo pela sua produção artística e literária (são muitas e variadas as suas incursões pelo mundo da música, do cinema, da literatura ou da televisão). Porém, Ao Princípio era Eu, a sua autobiografia, mais do que evocar todo esse percurso dá antes a conhecer o homem por detrás do profissional respeitado e multifacetado que é.

Mais do que revelar “o homem dos sete instrumentos”, como é conhecido, a autobiografia de António Victorino d’ Almeida mostra (em histórias e fotografias do seu álbum particular) o homem que era antes de se ter transformado naquilo que é hoje: uma das maiores figuras do panorama cultural português das últimas décadas.

A infância, a juventude, a entrada na idade adulta, as primeiras paixões, está tudo nas mais de 600 páginas, fora extratextos, de Ao Princípio era Eu.


AUTOR | António Victorino Goulart de Medeiros e Almeida nasceu em Lisboa a 21 de Maio de 1940. Aluno de Campos Coelho, finalizou o Curso Superior de Piano do Conservatório Nacional de Lisboa com 19 valores e diplomou-se em Composição pela Escola Superior de Música da cidade de Viena.

Pianista, compositor e maestro, é ainda autor da adaptação para teatro musicado de A Relíquia, de Eça de Queirós, e realizou o filme A Culpa - primeira longa-metragem portuguesa a vencer um festival de cinema no estrangeiro (Huelva, 1980).

Como escritor, publicou, entre outros, Histórias de Lamento e Regozijo, Coca-Cola Killer, Um Caso de Biografia, Polissário, Tubarão 2000, Memória da Terra Esquecida, O Que é a Música, Toda a Música que eu Conheço (2 vols.), Os Devoradores de Livros e Músicas da Minha Vida. Escreveu, apresentou e realizou mais de uma centena de documentários culturais para a televisão, foi membro do júri do Concurso de Piano de Moscovo e é actualmente Presidente do Sindicato dos Músicos Portugueses.

sábado, 6 de novembro de 2010

A Fábrica e a Rua - a resistência operária em Almada (11 de Novembro - 21h)

*
LIVRO | A presente obra analisa formas de resistência operária feminina que decorreram no período de construção e consolidação do Estado Novo, no concelho de Almada.Nesta podemos encontrar tanto os discursos e as narrativas das mulheres operárias sobre o seu quotidiano de trabalho, como as memórias épicas das greves e das marchas da fome. A autora constrói uma visão retrospectiva sobre uma época crucial da memória operária de Almada, inscrevendo o seu trabalho num cruzamento disciplinar entre as questões de Género e os Movimentos Sociais, procurando compreender como as mulheres operárias deste período accionaram diferentes gramáticas de acção reivindicativa, escrevendo as suas práticas numa “cultura de resistência”, herdada e simultaneamente construída num contexto histórico particular.

AUTORA | Sónia Ferreira, nascida em 1976, em Lisboa, é doutorada em Antropologia pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas (2009), tendo trabalhado sobre Movimentos Sociais, Género e Memória. Integrou o Centro de Estudos de Etnologia Portuguesa, sendo actualmente investigadora do CRIA (Centro em Rede de Investigação em Antropologia), onde tem desenvolvido investigação de pósdoutoramento na área da Antropologia dos Media e das Migrações. Leccionou na Escola de Superior de Comunicação Social (IPL) e é conferencista no Mestrado “Migrações, Inter-etnicidades e Transnacionalismos” (FCSH-UNL). É autora da obra "Mulheres de Desaparecidos" (Ela por Ela, 2003).