segunda-feira, 23 de junho de 2014

Ler Devagar: Teatro | A inexistência de Eva

A Inexistência de Eva

Dia  24, 25, 26 e 27 às 21h30

Dia  27 e 28  às 17h30 

Texto  de Filipa Leal 
Interpretação Ana Lopes Gomes 





"Era uma mulher que estava dentro de uma sala muito branca. Ouviu: Não fujas. Não esqueças."

Assim começa " A inexistência de Eva", livro de Filipa Leal agora pela primeira vez em palco. Eva não é a primeira de todas as mulheres, mas a primeira a habitar aquela sala branca. Neste longo poema, há uma voz que parece ser a da tentação, mas que tenta convencê-la a não tentar, a não ousar, a não abrir a porta. Eva acaba por descobrir isto: ainda que aprendamos a amar a realidade, jamais a compreenderemos. (...) "

"A tentação é, por vezes, a voz da consciência. A tentação nem sempre está próxima do pecado nem da serpente nem da maçã, mas dessa voz diária que ouvimos e que vem de fora ou de dentro do terror, essa voz que nos tenta não no sentido do pecado mas na direcção de um caminho que se fecha como um muro. Fechar o caminho poderá ser o pecado do nosso tempo. Esse texto recusa o pânico. Santos da Casa às vezes fazem milagres. Neste caso, é o milagre do mar." 

Página do Facebook : https://www.facebook.com/pages/A-Inexist%C3%AAncia-de-Eva/1407141432897740