quarta-feira, 27 de abril de 2016

Apresentação do Livro " Modelos Para Ensinar: escolhas do professor" > 4 Maio > 18h


Apresentação da obra "Modelos Para Ensinar: Escolhas do Professor", dos Autores Maria Ivone Gaspar, Alda Pereira, Isolina Oliveira, António Teixeira.

Sinopse:
O ensino é por natureza um processo contextualizado que se realiza na promoção da aprendizagem, por isso tem de se reinventar a cada cenário específico que o materializa.Neste quadro, as práticas docentes são determinantes, pois elas dão sentido aos cenários de aprendizagem, equacionando-os enquanto problema e estabelecendo modelos possíveis para a sua resolução, contribuindo desse modo para a construção do capital cultural do país. Ao professor cabe fazer essas escolhas, assumindo-as como um compromisso que o envolve e responsabiliza. A crença de que essa escolha terá de ser suportada teoricamente e esclarecida à luz da relevância das práticas pedagógicas inspirou o estudo agora publicado. Este livro celebra, pois, a liberdade do professor e a sua responsabilidade na personalização dos caminhos da aprendizagem.

Biografia: 
Maria Ivone Gaspar é doutorada em Ciências da Educação, na especialidade de Teoria Curricular e Metodologia do Ensino. Professora aposentada da Universidade Aberta, onde foi Diretora do Departamento de Ciências da Educação entre 1999 e 2004, coordenou o Centro de Estudos em Educação e Inovação, entre 2002 e 2007, coordenou o mestrado em Supervisão Pedagógica desde a sua criação (2004) até 2013 e colaborou na criação do programa do doutoramento em Educação, sendo membro da comissão científica da especialidade em Liderança Educacional, de 2010 a 2013. 

Alda Pereira é doutorada em Ciências da Educação, na especialidade de Metodologia do Ensino das Ciências e Professora Associada aposentada do Departamento de Educação e Ensino a Distância da Universidade Aberta. Dedica-se atualmente à investigação no Laboratório de Educação a Distância e eLearning (LE@D), do qual foi coordenadora científica entre 2007 e 2010. Foi Vice-reitora, Diretora do Instituto Coordenador de Investigação, Diretora do Departamento de Ciências da Educação na Universidade Aberta e coautora do Modelo Pedagógico Virtual da mesma Universidade. Coordenou diversos projetos de investigação e participou em vários projetos internacionais, financiados pela União Europeia.

Isolina Oliveira é doutorada em Ciências da Educação na especialidade de Psicologia Educacional, professora no Departamento de Educação e Ensino a Distância e investigadora no Laboratório de Educação a Distância (LE@D) da Universidade Aberta. Tem-se dedicado nos últimos anos ao desenho de cursos online de 1º,  2º e 3º ciclos, bem como realizado investigação sobre a aprendizagem e avaliação online, integrada em projetos nacionais e internacionais. 

António Teixeira é doutorado em Filosofia, na especialidade de Filosofia da Cultura em Portugal. Professor Auxiliar na Universidade Aberta, onde leciona desde 1991, e Investigador no Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa. É Presidente da European Distance and E-learning Network, sedeada no Reino Unido, e também Diretor no International Board of Standards for Training, Performance and Instruction, com sede nos Estados Unidos. Foi Pró-reitor para a Inovação em Ensino a Distância na Universidade Aberta (2006-09), tendo concebido e coordenado a estratégia de transformação da instituição numa universidade totalmente online.

domingo, 24 de abril de 2016

3 Músicos 2 Concertos > 30 Abril > 22h



Gustavo Lourenço: Guitarra cantada, uma procura a descobrir.

Diogo Santos e Sunil Pariyar: Um concerto entre dois amigos de países distantes e sonoridades distintas, Diogo é português e explora a sua guitarra de forma aberta, com coração e sentimento, Sunil é Nepalês e o som da sua flauta é cheio de cor, magia e encantamento. Juntos irão oferecer um concerto bem intimista e de sonoridade ímpar.


Entrada: 5€





Encontro de debate multidisciplinar > Verdades do corpo > 26 Abril > 21h45


A Direcção da Zona Sul da Sociedade Portuguesa de Psicossomática com o apoio da Sociedade Portuguesa de Psicodrama Psicanalítico de Grupo  tem o prazer de o/a convidar a participar no Encontro de debate multidisciplinar

Verdades do corpo: do desamparo à contenção em contexto de psicodrama psicanalítico de grupo
com a participação de:
João Paulo Ribeiro
O Continente Grupal enquanto Contentor do Terror Sem Nome
Tendo em conta os conceitos de Wilfred Bion sobre os fenómenos grupais, as contribuições prestadas pela escola Francesa ao estudo dos grupos e a nossa própria experiência enquanto psicoterapeutas psicanalíticos de grupo (psicodrama psicanalítico), propomos abordar o grupo como continente do terror sem nome. Partimos do princípio que a grupalidade intrínseca ao homem tem por intuito conter o terror sem nome da solidão desamparada, e está na base da capacidade de pensar e sonhar.

Ana Sotto-Mayor, Paula Lucas
O Corpo e a palavra - lugares de pensamento?
O psicodrama psicanalítico de grupo tem como condição essencial a conjugação do corpo- da acção e do sentir- e da palavra. A palavra que se expressa e o corpo que se surge em busca de novas significações. Esta ligação ganha diversas formas no decurso de uma sessão e na história de um grupo. Uma dessas formas passa pela atitude interpretativa, presente no aquecimento e na procura de compreender e de seleccionar o facto psíquico; na escolha do protagonista; na escolha da dramatização; nas alterações ao curso da dramatização e por fim nos comentários da equipa terapêutica.
Maria Moreira dos Santos
O corpo como lugar do drama e expressão do mito que o habita
A autora olha para o ser humano como um todo, defendendo que o corpo pode ser visto como uma espécie de porta-voz de verdades inconscientes que procuram revelação, dando expressão ao mito que habita Fernando - que nos ajudará a ilustrar esta comunicação.
Livraria Ler Devagar – 26 de Abril (Terça-feira), 21h45.

Contamos com a sua presença e participação!
Patrícia Câmara
(Presidente Lisboa e Sul da SPPS)
João Paulo Ribeiro: Psicólogo Clínico. Psicodramatista e Membro Aderente da Sociedade Portuguesa de Psicodrama Psicanalítico de Grupo. Psicólogo na Equipa de Pedopsiquiatria da Unidade Autónoma de Psiquiatria do Hospital de Vila Franca de Xira.
Ana Sotto-Mayor: Psicóloga Clínica, Psicodramatista pela Sociedade Portuguesa de Psicodrama Psicanalítico de Grupo, Sócia Candidata da Sociedade Portuguesa de Psicanálise, Terapeuta Familiar, pela Sociedade Portuguesa de Terapia Familiar e Mestre em Sistemas Sociais e Família.
Paula Lucas: Psicóloga clínica, Psicodramatista pela Sociedade Portuguesa de Psicodrama Psicanalítico de Grupo, Mestre em Musicoterapia e investigadora na área do Psicodrama no ISPA-IU.
Maria Moreira dos Santos: Psicóloga Clínica, Mestre em Psicopatologia e Psicologia Clínica e Psicodramatista.

Dança Movimento Terapia > 29 Abril > 21h30


Praia - Associação Portuguesa de Dança Movimento Terapia" é uma associação fundada em 2015 que reúne projetos e percursos - formativos e profissionais - que aliam a Dança, o Movimento e a Psicologia, nas suas vertentes terapêuticas, sociais, performativas, de investigação e ensino. É membro da European Association Dance Movement Therapy.

A associação tem como um dos seus principais objetivos inscrever e promover os seus valores, inserindo-se e coordenando-se com ambas as comunidade mais especializada e mais alargada.

Aproveitando o Dia Internacional da Dança, a associação está a organizar um evento que conjuga várias iniciativas a decorrer em diferentes espaços e com diversas instituições e serviços de Saúde, da Educação e da Cultura, nomeadamente, do Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa (Hospital Júlio de Matos), da Faculdade de Psicologia da Universidade de Lisboa, do ISPA - Instituto Superior de Psicologia Aplicada e na Livraria Ler Devagar.


segunda-feira, 11 de abril de 2016

Dia Mundial do Livro > 23 Abril


O Dia Mundial do Livro é comemorado, desde 1996 e por decisão da UNESCO, a 23 de abril.


​Esta data foi escolhida com base na lenda de S. Jorge e o Dragão, adaptada para honrar a velha tradição catalã segundo a qual, neste dia, os cavaleiros oferecem às suas damas uma rosa vermelha de S. Jorge (Sant Jordi) e recebem, em troca, um livro, testemunho das aventuras do heroico cavaleiro.
Em simultâneo, é prestada homenagem à obra de grandes escritores, como Shakespeare e Cervantes, falecidos em 1616, exatamente em abril.
Também a Direção-Geral do Livro, dos Arquivos e das Bibliotecas, em 2016, presta homenagem a alguns autores portugueses, cujos centenários de nascimento ou morte se assinalam: Bocage (as comemorações dos 250 anos do nascimento decorrem de setembro 2015 a setembro de 2016); Mário de Sá Carneiro (1890-1916 – centenário da morte); Mário Dionísio (1916-1993) e Vergílio Ferreira (1916-1996), autores de que se assinala o centenário do nascimento.
Ainda para assinalar este dia, a DGLAB apresenta, no edifício da Torre do Tombo, a exposição «Livros de muitas cores», com uma mostra de documentação antiga e moderna que pretende chamar a atenção para o papel do Livro nas suas muitas vertentes.
O cartaz de 2016, com concepção da LUPA Design, não será impresso pela DGLAB, mas poderá ser descarregado aqui no nosso site e impresso a partir daí. Convidam-se as Bibliotecas Municipais e as livrarias a darem igualmente destaque aos seis autores, cuja obra é de particular importância para a literatura portuguesa e mundial.

quarta-feira, 6 de abril de 2016

Apresentação do Livro "com passos" > Inês Lagartinho > 9 Abril > 16h

“Primeiro livro de poesia de Inês Lagartinho. A poesia como superação, como forma de vencer obstáculos e afirmar a nossa presença no mundo.”

segunda-feira, 4 de abril de 2016

Showcase Bera > 7 Maio > 19h > Entrada Livre


BERA (acústico/cantautor) 

BERA é um projeto musical, acústico e psicadélico, iniciado em 2013. Com músicas e palavras de Pedro Filipe, com alguns poemas de P.H. Oak. Cantado em Português, é inspirado em frutas, e inspirado na vida. Compõe­se de uma voz, um guitarlele, e muitos muitos sons. É um projeto intimista e introvertido, mas com rasgos de raiva e desassossego. Tem uma componente visual (projeção de vídeo) que acompanha alguns temas, alusiva ao imaginário esquecido e um psicadelismo ligeiro. 

be∙ra​|é| be∙ra​|é| (origem controversa) adjectivo de dois géneros 
1. Que tem boa aparência mas nenhum valor. = FALSO ≠ GENUÍNO 
2. Que revela maldade ou malevolência. = MAU 
3. Que revela mau carácter. 
4. Que está furioso ou de mau humor. = LIXADO

Apresentação do Livro "28" > Mário São Vicente > 10 Abr > 16h


Um raio amarelo na vida de Lisboa. 

O novo volume da colecção de fotografia de Amieira-Livros é inteiramente dedicado ao eléctrico 28, que nos últimos anos se tornou numa imagem de marca de Lisboa.

“28” foi fotografado por Mário de São Vicente, que ao longo de seis meses percorreu numerosas vezes o percurso que atravessa Lisboa, de Campo de Ourique ao Martim Moniz, subindo e descendo as colinas da cidade. O 28 passa pela Estrela e o Chiado, vai até até à Sé e à Graça, descendo depois a estreita rua das Escolas Gerais. No 28 misturam-se os lisboetas que lhe continuam fiéis e os turistas que querem experimentar ver Lisboa de outra maneira. Há fiéis que todos os dias o utilizam como meio de transporte e há os curiosos que sobem apenas para passear e ver as vistas.

O que Mário São Vicente fez foi olhar para o 28 de outra maneira - mostrando quem o habita, os sítios por onde passa, pormenores da máquina e de quem nele é transportado, as vistas da cidade que ele percorre. Este “28” é também o retrato do coração de uma cidade, visto com a atenção de quem nela gosta de olhar o mundo. Foram dias passados a fotografar quem o conduz, quem nele se transporta, os sítios por onde passa, os locais onde se desce para melhor ver pormenores de Lisboa.

Nos últimos anos o 28 tornou-se num ícone de Lisboa, reproduzido em postais e t-shirts, em mil objectos de recordação que evocam a sua cor e perpetuam a sua presença nas memórias de quem visita a cidade e vê aquele veículo clássico, amarelo-vivo, percorrer as suas ruas.

Pela primeira vez Amieira,Livros propôs a um autor um tema - o eléctrico 28 e a cidade à sua volta - desafiando-o a a mostrar a sua visão pessoal. Nesse sentido, este “28” é um ensaio fotográfico que Mário São Vicente fez sobre uma realidade que bem conhece desde a infância. E o resultado final não podia ser melhor.

O AUTOR
Mário São Vicente, tem 42 anos, nasceu e vive em Lisboa, é casado com a Rita e tem três filhos, a Maria, o Francisco e o Vasco, tem uma máquina fotográfica e é um amador de fotografia. Em tempos sonhou que poderia ser um colecionador de fotografia, mas depois acordou e percebeu que não tinha dinheiro para isso. Licenciado em Comunicação Empresarial, foi jornalista durante dez anos e hoje trabalha em comunicação. Pertence aos quadros do Banco Comercial Português e em Janeiro de 2016 foi nomeado Diretor de Comunicação do Gabinete do Primeiro Ministro, António Costa. Este é o seu primeiro livro de fotografia e foi feito com uma Fuji X- Pro 1 e apenas três lentes: uma Fuji XF 23mm f1.4, uma Zeiss Planar 50mm f2 e uma Leica Elmarit 90mm f2.8. As fotografias foram registadas no decurso do segundo semestre de 2015. 

domingo, 3 de abril de 2016

sábado, 2 de abril de 2016

Exposição "Paternal" > Inauguração 27 Abril > 18h30



Apresentação do Livro "O Amor e a Fé é nas obras que se vê"> Irina Navarro de Noronha > 8 Maio > 15H30



Irina Navarro de Noronha é natural do Porto.
A poesia surgiu como forma de expressão do seu luto,  tendo editado o seu 1º livro “Homenagem” pela Papiro Editora em 2008, participou nas Antologias de Poesia II, III, V do Circulo de Poesia, respectivamente nos anos 1995, 1996, 1999, 2001; participou ni Nº29/30/31 da Revista Literária Sol XXI em 1999, e no IV, V e VI Antologia de Poesia “Entre o Sono e o Sonho” editado pela Chiado Editora nos anos 2013, 2014 e 2015 respectivamente.


When you’re down and troubled
And you need a helping hand
And nothing oh nothing is going right.
Close your eyes and think of me
And soon I will be there
To brighten up even your darkest nights

James Talor

Autora: Irina Navarro de Noronha
E-mail:  geral@inhygiene.com