quarta-feira, 24 de maio de 2017

Lançamento > RAPublicar > Soraia Simões > 6 JUN > 21H00




Soraia Simões
Nasceu em Coimbra, em 1976. Radicou-se em Lisboa em 2008. É Pós-Graduada em Estudos de Música Popular e Mestranda em História Contemporânea pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, encontrando-se a desenvolver a sua tese sobre o impacto social e cultural estabelecido pela prática do «rap» e pela «cultura hip-hop» entre os anos de 1986 e 1996 no país.

Investigadora integrada do Instituto de História Contemporânea (IHC-FCSH/UNL), é autora do Projecto de Arquivo e Documentação «Mural Sonoro». Escreveu, em vários órgãos e edições, textos diversos na área musical, sendo autora do livro Passado—Presente. Uma Viagem ao Universo de Paulo de Carvalho (Lisboa: Chiado Editora, 2012) e RAPublicar – a «micro – história» que fez história numa Lisboa adiada: 1986 – 1996 (Lisboa: Caleidoscópio, 2017). Recebeu o Prémio Megafone da Sociedade Portuguesa de Autores, em 2014 na Categoria Missão, coordenando, actualmente, o projecto «RAPortugal 1986 - 1999».
O seu estudo e trabalhos incidem na cultura popular e movimentos transnacionais, nas práticas musicais em contextos migratórios e de revolução política ou ideológica e nos arquivos digitais sonoros. É a consultora musical do projecto que faz parte dos conteúdos especiais da RTP Extrema-Esquerda: Porque não Fizemos a Revolução? e Coordenadora geral e de investigação no projecto RAPortugal: 1986 – 1999 (projecto financiado em 2015 pela Direcção Geral das Artes).
É autora do programa Conversa ao Correr das Músicas, programa de História da Música, que conta também com a sua apresentação e estreia em Maio de 2017 numa primeira série de 13 episódios.

Acerca do livro:
Trata-se de um trabalho que incide no primeiro momento do RAP e da "cultura hip-hop" em Portugal. O livro procura cruzar as principais alíneas dos Estudos sobre Música Popular com a História Contemporânea, privilegiando como ferramenta de trabalho a história oral e cruzando-a com fontes escritas. Composto por ensaios, fruto da interpretação dessas fontes orais e escritas reunidas pela investigadora e autora durante a sua pesquisa, bem como fotografias inéditas e por um QR-Code que dá acesso a cerca de 25 recolhas de entrevistas que a autora realizou durante o seu trabalho de campo. Esses testemunhos/memórias cruzados com fontes escritas, procuram uma leitura renovada sobre o primeiro período do RAP em Portugal e a importância verificada na sociedade e na cultura portuguesas da segunda metade do século XX.



terça-feira, 23 de maio de 2017

Teatro > Uma Compota de Poesia > por Língua de Trapo > 16 e 17 JUN > 21H30



"Compota de Poesia"

em cada espectáculo, dois actores dramatizam as várias pessoas de Pessoa.


em cena

dias 16 e 17 de junho
SEXTA e SÁB às 21h30

(no final do espetáculo, haverá uma tertúlia, na qual todos poderão participar)


Sinopse
Devido ao elevado teor emocional, aconselha-se uma compota de poesia 3 a 4 vezes por semana, 2 atores por dia. Um consumidor assíduo descobrirá o sentido oculto das palavras e perceberá que a poesia pode tomar a forma de teatro e de canto. Não tem efeitos secundários perniciosos, mas atenção: causa habituação.

Synopsis
Come and discover Fernando Pessoa's poetry like never before. In this poetry jam, 2 actors will show you in each performance the many faces and characters that the famous poet embodied, giving voice and gesture to a selection of some of his finest verses. Are you prepared to taste poetry?


Ficha Técnica

Texto: Poesia de Fernando Pessoa e heterónimos
Encenação: Paula Antunes
Elenco: Ana Videira, Francisco Gomes, Hugo Baptista,
Natacha de Noronha e Pedro A. Rodrigues
(cada sessão de 45 minutos terá 2 actores em cena)
Direcção Musical e Sonoplastia: Hugo Baptista
Fotografia: Joana Jesus
Cartaz: Pedro Miguel Sousa
Produção e Comunicação: Bruna Pereira
Direção Artística: Teatro Língua de Trapo

Duração: 45 minutos

Classificação Etária: M12


3€* 
*preço único

Reservas e informações: linguadetrapo.teatro@gmail.com 
96 431 80 35

Exposição de Stencil > As telas que o mar me dá > Dino Luz / Stencil Fartz > 7 a 25 Junho


domingo, 14 de maio de 2017

Performance Teatral > Urro > 3 JUN > 22H30



Performance teatral em 50 minutos.

Texto de Júlio do Carmo Gomes.
Coprodução de Apuro e Dogma12.
Direcção de Rui Spranger.
Interpretação de Castro Guedes.

“O teu sonho é vires a ser a sínteses perfeita entre operário e capitalista, de derrota em derrota, até à mobilização final!” IMPIEDOSO, CRUEL,

“Tentas convencer-te que hoje já não há ideais, que vives numa época sem soluções globais, sem alvoradas, nem amanhãs, não há barreiras ideológicas nem diferenças de classe.” SARCÁSTICO, INQUIETANTE.

“Tu só te indignas incidentalmente com a caniche da vizinh de baixo quando sais do tu quarto (ou será um ‘loft’?).” ASSERTIVO, INDEPENDENTE.


Não aconselhável a menores de 14 Anos.
Marcações para cg.dogma12@gmail.com



segunda-feira, 8 de maio de 2017

Exposição > Mashup > Ana Pereira > Inauguração: 10 MAI > 18H30 — até 28 MAI




Lançamento de Livro > O Pianista de Hotel > Rodrigo Guedes de Carvalho > 16 MAI > 19H


Sinopse

O Pianista de Hotel transporta-nos numa melodia. 

É uma entrada para um mundo regido pela linguagem da música, pela sua força e beleza, presentes no ritmo de cada frase, de cada parágrafo rigorosamente medido.
Livro em camadas, nele se cruzam diversos planos, diversas histórias perpassadas pelo poder redentor da música que entra e rasga, a solidão, a dor e o vazio das pessoas que habitam nestas páginas. Com um vasto subtexto, a densidade das personagens está carregada de mistérios que nos prendem a sucessivas interrogações.

Há um pouco de nós em todas elas.
Há muito de nós neste mergulho ao mais fundo da alma humana. 
É um romance que se lê e ouve, que mantém todos os sentidos alerta. Uma pauta musical, com andamentos diversos, que acabam por se cruzar numa vertigem imprevisível de autêntico thriller psicológico.

E, depois, há o pianista…

quinta-feira, 4 de maio de 2017

Concerto > Gabi Buarque > 8 JUL > 22H


A cantora e compositora carioca, Gabi Buarque, na Turnê Europa 2017, apresenta seu mais novo concerto com foco na PALAVRA e direção cênica de Duda Maia. Samba, coco, maracatu, xote, maxixe, valsa... a diversidade rítmica brasileira em canções inéditas, poesias e músicas gravadas nos cds "Deixo-me acontecer"(2011) e "Fiandeira"(2014).

The brazilian singer and songwriter, Gabi Buarque, on the Europe Tour 2017, presents her new concert with a focus on the WORD and the scenic direction of Duda Maia. Samba, coco, maracatu, xote, maxixe, waltz ... all Brazilian rhythmic diversity in unpublished songs, poetry and songs recorded in cds "Deixo-me Acontecer" (2011) and "Fiandeira" (2014).

www.gabibuarque.com.br